Ministério Público reúne todos os Conselhos Tutelares de Maceió para discutir lei municipal que trata das políticas públicas de atendimento às crianças e adolescentes

Imprimir
PDF
Partilhar no FacebookPartilhar no Twitter
Tamanho da Fonte:

O Coordenador do Núcleo de defesa da Infância e Juventude, promotor de justiça Ubirajara Ramos, titular da 44ª Promotoria de Justiça da Capital, coordenou uma reunião de trabalho com todos os Conselhos Tutelares de Maceió e os membros do Conselho dos Direitos da Criança e do Adolescente para discutir alguns aspectos da Lei Municipal nº 6.378, de 6 de abril de 2015, que dispõe sobre a política municipal de atendimento a este público.

Segundo o promotor, a discussão concentrou-se no artigo 74, que trata das vedações aos membros do Conselho Tutelar no município de Maceió, como a proibição de exercer quaisquer atividades que sejam incompatíveis com o exercício da função e com o horário de trabalho. “São 22 incisos que disciplinam o comportamento do conselheiro, tanto no exercício de suas atribuições como na sua vida privada e na sociedade. A lei prevê vedações que vão da prática de infração às normas do Estatuto da Criança e do Adolescente, que é a da Lei nº 8.069/90, até ausentar-se da sede do Conselho Tutelar durante o expediente, salvo quando em diligências ou por necessidade do serviço. A reunião serviu para esclarecer quais oque determina a legislação, para que não haja equívoco durante o exercício do mandato de conselheiro”, afirmou Ubirajara Ramos

O artigo ainda determina que os conselheiros não podem deixar injustificadamente de exercer as funções em horário de plantão ou faltar a três reuniões consecutivas, ou ainda cinco alternadas durante um ano de mandato sem justificativa aprovada pelo Colegiado. Também é vedado deixar de comunicar ao Conselheiro Tutelar de plantão qualquer notícia de situação de risco que venha a ter conhecimento de forma direta ou indireta.

Ainda de acordo com a lei, o conselheiro tutelar não pode ter sido condenado por infração administrativa, crime ou contravenção penal, com decisão transitada em julgado, nem apoderar-se indevidamente de qualquer bem ou recurso do Conselho Tutelar ou praticar qualquer ato de improbidade. Também é proibido utilizar o veículo, a sede do órgão e equipamentos para fins diversos, que não sejam objetos do trabalho, ou desligar telefone celular institucional no exercício da função.

“A reunião, que contou com a presença de 34 conselheiros tutelares, dos 50 titulares, e três conselheiros de direitos, foi convocada pelo Ministério Público em decorrência das constantes reclamações de órgãos públicos e dos próprios conselheiros tutelares que não conseguem falar com os vários conselheiros pelo telefone celular, principalmente à noite, nos finais de semana e feriados, com os conselheiros de plantão”, esclareceu Ubirajara Ramos.

Conselho Nacional do Ministério Público Conselho Nacional dos Procuradores Gerais Associação Nacional dos Membros do Ministério Público Colégio de Diretores de Escolas dos Ministérios Públicos do Brasil Conselho Nacional dos Ouvidores do Ministério Público Associação do Ministério Público de Alagoas Tribunal de Justiça de Alagoas